Eu fui

Jorge Resende

Jorge-Gruta-da-Pratinha6Saímos de Palmas sem muito entusiasmo. Por mais que já tivesse visto alguma coisa sobre a Chapada Diamantina, fomos sem muitas expectativas. E isso foi o mais legal.
Viagem tranqüila, algo em torno de 1.000 km, partimos de Palmas-TO.  Na medida que íamos entrando na Bahia a vegetação ficava mais árida e a esperança minguava, de repente fomos surpreendidos com a beleza de um por do sol visto de um dos lugares mais fascinantes, Morro do pai Inácio. E foi só o início de uma viagem de cinco dias de encantamento. Jamais imaginei que em um espaço tão improvável, pudesse abrigar lugares tão lindos, como os poços Azul e Encantado, Mucugezinho, Poço do meio, Pratinha, entre outras.
Em meio à vegetação árida, típica do sertão baiano, oásis brotam, sem falar nas cavernas como Lapa do bode, as cachoeiras como poço do diabo. Tudo parecia mágico. Durante o dia passeios inesquecíveis no melhor que a natureza podia nos oferecer e à noite, curtíamos a pitoresca cidade de Lençóis, onde ficamos hospedados e com certeza, voltaremos em breve, promessa e ameaça.
Foi de fato uma grata surpresar ver que a Bahia é muito mais do que o litoral.
Bahia que não me sai do pensamento.

Publicidade
Publicidade