Notícias

Viagem pela pré-história

Figura que lembra um extraterrestre é uma das mais famosas do complexo arqueológico.

A pintura rupestre é considerada um dos mais importantes testemunhos do passado humano no planeta. Por isso, a sua viagem à Chapada Diamantina pode ser uma oportunidade de unir diversão e conhecimento.

O estado da Bahia reúne um dos maiores acervos de arte rupestre do país e na Chapada Diamantina, em especial, elas são encontradas por toda parte. No município de Lençóis existe a Serra das Paridas, complexo arqueológico formado por 18 sítios, onde é possível ver centenas de desenhos com idade estimada de 8 mil a 35 mil anos, segundo especialistas.

O local é considerado o mais estruturado do estado para receber turistas. Lá as pinturas, que estão abertas para visitação, estão estabelecidas em quatro áreas, denominadas Serra das Paridas I, II, III e IV. Em todas elas existem testemunhos gráficos em diversas situações e períodos diferentes, que representam pessoas, animais e figuras geométricas. Todas bem curiosas, que vão desde o parto de uma mulher de cócoras (daí o nome do lugar) até animais pré-históricos que parecem extraterrestres.

Acredita-se que a origem dos desenhos esteja ligada a rituais religiosos. As cores provêm de pigmentos minerais, como o óxido de ferro e de manganês, e eram fixadas com gordura animal ou água.

O complexo foi descoberto por moradores da localidade que estavam colhendo mangaba, fruta típica do nordeste, em 2005. A “Pedra Escrevida”, como se referiam ao complexo, foi analisada pelo professor e pesquisador Carlos Etchevarne, do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e equipe.

Visitação

Para conhecer o sítio é necessário estar acompanhado de uma agência de turismo ou de um guia de turismo que tenha participado de seminário específico sobre a Serra das Paridas. A compra do voucher deve ser antecipada, que é encontrado nas agências de turismo de Lençóis.

O visitante pode levar o guia em seu próprio carro ou adquirir um roteiro diário. A agência Volta ao Parque, por exemplo, inclui visita à Cachoeira do Mosquito e ao Complexo Arqueológico, com almoço de comida típica na Fazenda Os Impossíveis.

Há possibilidade ainda de conciliar a visita com o Poço Azul (no município de Nova Redenção), unindo vivências nas áreas de arqueologia e paleontologia, já que no local foram encontrados fósseis como a de uma preguiça gigante.

Distância de carro: 36 km de Lençóis

Taxa de visitação: R$ 15 por pessoa. Crianças até 9 anos tem isenção da taxa.

Mais informações: www.voltaaoparque.com.br

Publicidade
Publicidade