Notícias

Chapada Diamantina recebe corrida de montanha

Matéria publicada no site oficial do evento.

37_02Fôlego, resistência, força nas pernas e força de vontade, além de muita paz de espírito. Talvez esses sejam os adágios que melhor definam o perfil de um atleta que tenha pela frente o desafio da Maratona 42k de Corridas de Montanha da Chapada Diamantina. Uma prova para quem gosta de testar os próprios limites, mas que não dispensa a integração com a natureza. Uma verdadeira terapia, que poderá ser realizada individualmente, em duplas ou grupos de quatro pessoas.

A competição será realizada no dia 11 de outubro, a partir das 5h, na Vila de Igatu (Andaraí), na região central do estado baiano. Os interessados em participar poderão se inscrever através do site do evento, até o dia 1º de outubro, e a entrega de kits será no dia que antecede a prova, na Galeria Arte & Memória, com a apresentação do grupo de capoeira Esquiva de Andaraí.

Projetado para proporcionar aos competidores as mais variadas formas de integração com a natureza, o percurso foi dividido em quatro trechos distintos, que reservam diferentes condições de percurso, passeando por entre estradas, praias, trilhas fechadas, rochedos e grutas. Além disso, todos os trechos começam e terminam no mesmo ponto, onde estará concentrada uma Unidade de Apoio para hidratação e área de transição para os atletas do revezamento.

Batizado assim para desejar boas-vindas aos aventureiros, o primeiro trecho do percurso, Bem-vindo a Igatu, é o mais longo, com 16 quilômetros, mas não o mais difícil. Nesta primeira etapa, os atletas seguirão por uma descida em direção ao entroncamento dos rios Paraguaçu e Piaba, contornando suas margens secas e arenosas. A volta, por sua vez, será por uma estrada calçada em pedra bruta, amarela, que se destaca naturalmente em meio às montanhas.

O segundo trecho (Seres Cascudos) resgata um pouco da história de Igatu. Ao lado sul da vila, os participantes terão a oportunidade de conhecer o caminho percorrido por antigos garimpeiros e poderão observar resquícios de casas de pedra que serviram de moradia aos destemidos habitantes da região, na época de sua fundação. Esse é o menor trecho do percurso, com apenas cinco quilômetros de extensão.

54_02A terceira etapa (Diamante Negro) é aquela que a organização de prova define como a mais interessante, mas que traduzida para a linguagem dos atletas é o chamado “trecho técnico”, o mais difícil, no qual a inteligência e o equilíbrio emocional do competidor são tão importantes quanto suas condições físicas. Trata-se de uma volta de 12 quilômetros em singletracks e “escalaminhadas”, por entre rochas gigantescas e trepa-pedras.

Para encerrar, oito quilômetros que inicialmente poderiam parecer ter sido programados para relaxar a musculatura dos atletas, mas isso é só impressão, pois de moleza a quarta etapa da maratona (Rego Grande) não tem nada. Esse trecho é marcado por uma variação altimétrica muito grande, onde os maratonistas sobem e descem por estradas de terra e pedra até encontrar o caminho de volta à Vila de Igatu.

Diferentemente do que acontece em uma maratona de rua, em que o atleta encontra um ritmo e trabalha para mantê-lo até o final da prova, os 42K da Chapada Diamantina exigem que o participante faça a leitura correta de cada etapa do percurso e tenha feeling para saber o momento certo de poupar energia e de ganhar tempo, pois com tantas variações de ambiente, desnível e altitude, é muito difícil para o competidor alcançar o “ritmo neutro”.

Ainda sobre as variações, a organização do evento recomenda aos atletas a troca de tênis durante a prova, visto que o percurso vai da água para a areia, e a mistura desses dois elementos age como uma lixa nos pés, potencializando o surgimento de bolhas. Os calçados extras e outros suplementos, como os para reposição energética, poderão ser deixados na área de transição para que sejam acessados pelo participante durante suas passagens pelo local.

Corrida-de-Montanha-Igatu-5232E para que atletas de outros níveis também participem do evento, a organização lançou uma novidade para a edição deste ano: uma corrida de 12K. Decisão que acompanha a lógica de todas as competições do Circuito Brasileiro da categoria, que sempre oferecem um percurso menor, paralelo à prova principal. O trecho a ser percorrido por quem optar por essa distância será o mesmo da etapa três da maratona; portanto, apesar de curto, não será um desafio fácil.

Localizada no município de Andaraí, a Vila de Igatu é formada por pedras e ruínas no alto da serra, provenientes dos tempos áureos da exploração de diamante na região, no século XIX. Por esse motivo, o pequeno vilarejo é conhecido como a “Machu Picchu Baiana”, em alusão à cidade peruana. O povoado conta ainda com cachoeiras e piscinas naturais, o que faz dele um destino turístico imprescindível para quem pratica escalada, arvorismo, mountain bike, trekking e mergulho.

Informações

DATA: 11/10/2014

PROVA: Maratona 42k Chapada Diamantina

CIDADE: Vila de Igatu – BA

HORÁRIO: 05h

LOCAL: Praça José Gomes da Silva (no centro da vila)

Cronograma

Sexta-feira, dia 10 de Outubro

12h00 – Entrega de kit no Galeria Arte & Memória, na rua Luiz dos Santos s/n

16h00 – Congresso Técnico na sede do Centro Chic Chic, na rua Sete de Setembro s/n

Sábado, dia 11 de Outubro

05h00 – Abertura da Área de Transição

07h00 – Largada 42 km (solo, dupla e quarteto)

17h00 – Corrida infantil

20h00 – Premiação*

20h30 – Apresentação do ‘Grupo de Capoeira Esquiva’ de Andaraí

11h30 – Encerramento

* O Horário da premiação pode sofrer alterações sem aviso prévio, fique atento aos informes do evento.

 

Sobre as corridas de montanha

maratona

As corridas em montanha surgiram na Europa e sua origem se confunde com o próprio atletismo. Já são clássicas as provas como a Ultratrail du Mont Blanc , com seus mais de 100 km percorridos em trilhas ao redor da maior montanha da Europa ocidental – e a Gore-Tex Transalpine Challenge, que tem largada na Alemanha, cruza a Suíça e termina na Itália, após uma semana de muita subida e descida por campos e trilhas. Nos Estados Unidos temos a Western States como uma das ultramaratonas mais famosas, realizada em terrenos naturais.

 

No Brasil, a corrida de montanha é caracterizada por ocorrer em trilhas e serras, e surgiu oficialmente com a criação do Circuito Brasileiro de Corridas em Montanha, em 2004. Inicialmente, as provas eram disputadas apenas na distância de 21 km, mas em 2006, com o reconhecimento da modalidade pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), as competições tiveram seus regulamentos alinhados às regras da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) e passaram a ser disputadas também na distância de 12 km.

Fotos: Divulgação.

 

Publicidade
Publicidade