Notícias

Apesar dos incêndios, o turismo na Chapada Diamantina continua seguro e regular

Ainda que a Chapada Diamantina venha passando há mais de 40 dias por um momento de muita tensão e desgaste, por conta dos incêndios que já atingiram mais de 20 mil hectares de áreas dentro e fora do Parque Nacional (PNCD), os principais atrativos turísticos e roteiros continuam abertos à visitação e sendo operados regularmente pelas agências de turismo e Associações de Condutores de Visitantes Locais (ACVs).

“Estive na Chapada Diamantina no dia 10 de dezembro e minha estadia foi incrível. O lugar é extraordinário. Nesses últimos dias que tem acontecido os incêndios eu digo que não interferiu na minha viagem, pois tive uma experiência maravilhosa. Visitei a Cachoeira do Buracão, Poço Encantado, Poço Azul, Cachoeira do Mixila, Pratinha, Morro do Pai Inácio e foi tudo maravilhoso. Indico para quem está pensando em vir, pois a Chapada continua proporcionando uma ótima experiência.”, declara Miguel Thiré, ator.

Pratinha, Iraquara/BA, em 15/12/2015. | Foto: Caiã Pires

Pratinha, Iraquara/BA, em 15/12/2015. | Foto: Caiã Pires

Segundo informações atualizadas no dia 17 de dezembro junto ao ICMBio e as Secretarias das cidades que estão no entorno do Parque Nacional da Chapada Diamantina, a trilha que dá acesso a Cachoeira da Fumaça por cima foi reaberta. Somente as trilhas que dão acesso; a Cachoeira Véu de Noiva e a Cachoeira da Fumacinha em Ibicoara é que estão interditadas por conta dos combates. Algumas trilhas como a que liga Lençóis – Capão; Lençóis – Morro do Pai Inácio ou a Gruta do Lapão em Lençóis foram bastante atingidas pelo fogo, e por uma questão de impacto visual não recomenda-se a visitação a esses locais.“Todos os outros atrativos, que são a maioria, continuam intactos e não oferecem risco ao visitante”, relata Marcela Marins, analista ambiental do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão responsável pela gestão do Parque Nacional da Chapada Diamantina.

Além dos atrativos naturais da Chapada Diamantina, que são muitos, as cidades oferecem outras experiências turísticas, como seus conjuntos históricos e arquitetônicos, museus, a gastronomia e a cultura local.

Poço do Diabo, Lençóis/BA, no dia 15/12/2015 | Foto: Caiã Pires

Poço do Diabo, Lençóis/BA, no dia 15/12/2015. | Foto: Caiã Pires

A porcentagem da área atingida pelo fogo dentro PNCD até o momento foi de 10%, o equivalente a 14.340 dos 152mil hectares que compõem o Parque Nacional. O que ocorre é que outras áreas de preservação foram atingidas, mesmo assim não somam 20% do total da região. A estimativa foi realizada a partir da análise de imagens dos satélites Aqua e Terra e de reconhecimentos aéreos e terrestres.

Algumas instituições, como os Conselhos de Turismo dos municípios do entorno do Parque, vem se reunindo para alinhar as informações sobre as visitações turísticas e transmiti-las a seus clientes. “A mídia divulga a parte sensacionalista dos incêndios, o que é importante para chamar a atenção para o problema, mas é importante deixar claro que a visitação continua aberta e segura na maior parte dos atrativos”, defende o presidente do Conselho de Turismo de Lençóis Dioclídes Araújo.

“Fiquei uma semana na Chapada e apenas um roteiro de todos que eu havia planejado teve que ser alterado por conta do fogo, mas a substituição foi ótima. Conheci uma cachoeira linda chamada Licuri. Todos os outros passeios aconteceram normalmente, foi uma experiência maravilhosa e recomendo para quem quiser fazer essa viagem”, confirma Daniel Thré, turista que esteve na Chapada na primeira semana de dezembro.

Veja abaixo o depoimento completo do ator Miguel Thiré:

Foto do destaque: Caiã Pires

Publicidade
Publicidade